Como agilizar e facilitar a consulta de nota fiscal completa?
21 de setembro de 2017
Como funciona o processo de Fechamento Mensal?
5 de outubro de 2017

Fique por dentro: O que muda com a NF-e 4.0 e MDF-e 3.0?

O processo contábil e fiscal está sempre em atualização e aprimoramento e é sobre algumas dessas atualizações que vamos tratar nesse post, mais especificamente sobre NF-e 4.0 e MDF-e 3.0, quais são as mudanças e quando entram em vigor:

Sobre prazos a Nota Fiscal Eletrônica 4.0 passa a funcionar agora em outubro e o Manifesto de Documentos Fiscais 3.0 se torna obrigatórios em novembro de 2017.

 

NF-e 4.0 (Nota Fiscal Eletrônica 4.0)

As mudanças da Nota Fiscal Eletrônica 3.1 para versão 4.0 serão feitas no seu layout, que sofre atualização a partir de 2 de outubro, passando a ser obrigatório para o ambiente de produção em seu novo modelo. Todos os ambientes tem até 2 de abril 2018 para adequar suas emissões, quando o antigo modelo 3.10 será desativado. Para os detalhistas, a Nota Técnica 2016.002 — v 1.20 informa todos os detalhes da mudança.

 

Resumo das mudanças:

  • Ao campo indicador de presença foi adicionada uma 5ª opção “Operação presencial, fora do estabelecimento”. Isso diz respeito a vendas ambulantes.
  • Um novo grupo foi criado, o “Rastreabilidade de produto”, que serve para produtos sujeitos a regulações sanitárias. Exemplos disso são produtos veterinários, odontológicos, remédios e bebidas. O mesmo serve para produtos que sofreram recall, e também agrotóxicos. O grupo pede as informações de lote e data de fabricação.
  • Inclusão do campo “Fundo de Combate à Pobreza”, que deve ser preenchido para operações internas ou interestaduais com substituição tributária.
  • Inclusão do campo “Grupo Total da NF-e”, onde será fornecido o valor total do IPI (Impostos sobre Produtos Industrializados). Ele é usado quando há a devolução de mercadoria por estabelecimentos que não contribuam com essa taxa.
  • Alteração no campo “Grupo X-Informações do Transporte da NF-e”, que agora aceita duas novas modalidades, o Transporte Próprio por Conta do Remetente e o Transporte Próprio por Conta do Destinatário.
  • Alteração do campo “Formas de Pagamento” agora se chama apenas “Pagamento”, onde também está incluso o valor do troco, enquanto o campo “Forma de Pagamentos do Grupo B” não existe mais.
  • Inclusão do campo de “Medicamento”, uma área para informar o código de produto da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para remédios e matérias-primas farmacêuticas.
  • Exclusão dos campos específicos de medicamento, os quais, agora, integram o “Grupo Rastreabilidade de Produto”. Há também o “Grupo LA” que recebe o campo para indicar os percentuais de mistura do GLP.

MDF-e (Manifesto de Documentos Fiscais Eletrônico)

O Manifesto de Documentos Fiscais 2.0 perde validade agora no começo de setembro e ganha nova versão obrigatória em outubro, a 3.0. De acordo com a Nota Técnica 2017.002, o prazo final para adequação para a versão 3.0, é até o dia 02 de outubro de 2017, que é a data final da vigência da versão 1.0.

 

As principais mudanças são:

  • Limitação de tentativas de reenvio de documentos rejeitados para apenas cinco vezes.
  • Pra fazer o cancelamento de uma nota após 24h da emissão será preciso realizar o cancelamento através da “Liberação do prazo de cancelamento”, evento que deve ser solicitado à SEFAZ do estado emissor.
  • O armazenamento de XML do MDF-e, que agora obriga o transportador manter uma cópia dos documentos emitidos por apenas 180 dias a partir da emissão.
  • Possibilidade de adicionar ao MDF-e a informação referente ao tipo de transportador responsável pela entrega, podendo ser Transportador Autônomo de Cargas; Empresa de Transporte de Cargas e Cooperativa de Transporte de Cargas.
  • Os campos relacionados a data e hora vão adotar o mesmo padrão da NF-e, sendo informados no formato UTC completo com a informação da TimeZone.
  • O campo Informações para Agência Reguladora (ANTT), que passa ater preenchimento obrigatório, e que servirá para informar números de registros como o RNTRC (Registro Nacional de Transportadores Rodoviários de Cargas), CIOT (Código Identificador de Operação de Transporte), vale-pedágio, contratantes do transporte, código de agenciamento no porto e código de lacres.

Então, fique ligado nas mudanças e evite maiores problemas para sua empresa.

 

 

Comentários

comentários